sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Operação Quebrando a Banca | Polícia Federal | Londrina/PR

PF de Londrina prende envolvido em quadrilha de jogos eletrônicos ilegais

Uma pessoa foi detida em Londrina na Operação Quebrando a Banca, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em todo o Brasil, na manhã desta sexta-feira (25/11/2011). Além do mandado de prisão, foi cumprido um de encaminhamento coercitivo (quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento, mas é liberada logo em seguinte) de um morador da zona leste.

A operação quer desarticular uma estrutura criminosa ligada ao jogo eletrônico ilegal, principalmente no estados do Pará e Bahia. A PF de Londrina não soube informar qual o papel que o londrinense teria dentro da organização, também não soube dizer o nome do acusado até às 11h22 desta sexta-feira (25/11/2011).

No Paraná, além de Londrina, foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão e um de prisão em Maringá (a 96 km). Na cidade estaria parte dos responsáveis pela produção e distribuição das máquinas de jogo eletrônico.

Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Marabá (PA).

Fonte: O Diario

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Operação Láparos | Polícia Federal | Guaíra/PR

PF do Paraná deflagra “Operação Láparos” e cumpre mandados em MS e mais 5 Estados

A Operação “Láparos” da Polícia Federal de Guaíra (PR) foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (17/11/2011) com objetivo de combater crimes de contrabando e corrupção policial. A PF vai cumprir 258 mandados em seis Estados incluindo Mato Grosso do Sul.

Nesta fase da operação a PF vai cumprir 150 mandados de busca e apreensão e 108 ordens de prisão preventiva, das quais 43 em desfavor de policiais.

As investigações demonstraram ainda o envolvimento, com a organização criminosa, de 13 policiais estaduais civis e 29 militares do Paraná e um policial rodoviário federal.

Segundo informações da PF, os envolvidos recebiam vantagens econômicas para informar sobre as ações da PF contra o contrabando, garantindo ainda a livre circulação de veículos usados pela quadrilha para distribuir cigarros e agrotóxicos contrabandeados.

Todas as ordens foram expedidas pela Justiça Federal em Guaíra e em Umuarama, instâncias que desenvolveram as investigações policiais ao longo de 14 meses. Durante as investigações, foram presas em flagrante 202 pessoas e apreendidos mais de três milhões de pacotes de cigarros contrabandeados do Paraguai, 6,5 toneladas de agrotóxicos de mesma origem, 109 caminhões, 76 automóveis e 13 embarcações.

As ações repressivas da Polícia Federal acontecem hoje em 38 cidades do Paraná, quatro em São Paulo, três em Mato Grosso do Sul, três em Minas Gerais, um em Rondônia e um no Mato Grosso.

O número de cidades, segundo a polícia, demonstra a ampla ramificação da organização criminosa desarticulada, que multiplicava rapidamente a capacidade de ação da quadrilha. A agilidade deu nome à operação, “Láparos”, que significa filhote de coelho.

O Ministério Público Federal do Paraná em Cascavel, a Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná e a Corregedoria Regional da PRF colaboraram com as investigações.

Fonte: R7

PF realiza operação contra o contrabando e corrupção policial em Londrina

Ação é desenvolvida em 38 cidades do Paraná. Em Londrina, estão sendo cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão. Quarenta e três policiais estariam envolvidos com a quadrilha

Uma megaoperação da Polícia Federal (PF) contra o contrabando e corrupção policial está sendo realizada nesta quinta-feira (17/11/2011) em 38 cidades do Paraná. Na região Norte do estado, a PF informou que devem ser cumpridos sete mandados de prisão e sete de busca e apreensão nas cidades de Londrina, Lidianópolis e Faxinal.

Os policiais que participam da Operação Láparos cumprem 150 mandados de busca e apreensão e 108 mandados de prisão, sendo 43 contra policiais. Conforme a PF, 13 policiais civis, 29 militares e um rodoviário federal estariam envolvidos com a quadrilha.

Em nota, a PF informou que a ação é resultado de 14 meses de investigações e as ordens foram expedidas pela Justiça Federal de Guaíra e Umuarama. Durante as investigações, foram presas 202 pessoas em flagrante e apreendidos mais de 3 milhões de pacotes de cigarros, além de 109 caminhões, 76 automóveis e 13 embarcações.

A operação também é realizada em São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rondônia.

Uma entrevista coletiva com os resultados está programada para às 15h na Delegacia de Guaíra.

Fonte: Jornal de Londrina

43 policiais são suspeitos de facilitar o contrabando na região de fronteira

Eles e outras 65 pessoas são o alvo de uma operação deflagrada pela Polícia Federal, nesta quinta-feira, em seis estados: Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia

Quarenta e três policiais são suspeitos de facilitar o contrabando de carros usados na região de fronteira. Eles e outras 65 pessoas são o alvo de uma operação deflagrada pela Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira (17/11/2011). A Operação Láparos visa combater o contrabando e a corrupção policial. Os veículos são utilizados no contrabando de cigarros.

Vinte e duas pessoas foram presas no Paraná até as 10 horas. Não foi informado em quais cidades do estado essas prisões foram efetuadas. A assessoria de imprensa da PF também não soube relatar quantos policiais já foram detidos. Cerca de 600 policiais federais do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e São Paulo participam da operação.

O órgão informou que 150 mandados de busca e apreensão e 108 de prisão serão cumpridos nesta quinta-feira. A Operação Láparos é liderada pela PF de Guaíra, no Oeste do Paraná.

A operação da PF ocorre em seis estados: Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia. Segundo a PF, os mandados devem ser cumpridos em 38 cidades paranaenses.

No Paraná, a operação é desencadeada nos seguintes municípios: Guaíra, Terra Roxa, Francisco Alves, Iporã, Mercedes, Vera Cruz do Oeste, Umuarama, Cruzeiro do Oeste, Tuneiras do Oeste, Icaraíma, Cafezal do Sul, Tapejara, Douradina, Ivaté, Londrina, Lidianópolis, Faxinal, Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Missal, Medianeira, Matelândia, Maringá, Doutor Camargo, Terra Boa, Santa Fé, Astorga, Cianorte, Paiçandu, Cascavel, Assis Chateubriand, Corbélia, Formosa do Oeste, Tupassi, Toledo, Ubiratã, Marechal Cândido Rondon e Ouro Verde do Oeste.

As investigações da PF duraram 14 meses e dão conta do envolvimento de 43 policiais paranaenses: 29 PMs, 13 policiais civis e um da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A PF contou o apoio do Ministério Público do Paraná (MP-PR), da Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná e da Corregedoria Regional da PRF.

Durante as investigações, 202 pessoas foram presas. Houve também a apreensão de 3 milhões de pacotes de cigarros, 6,5 toneladas de agrotóxicos contrabandeados do Paraguai, 19 caminhões, 76 veículos e 13 embarcações.

Os detalhes da operação serão divulgados em uma coletiva em Guaíra, no Oeste do Paraná, às 15 horas desta quinta-feira.

Fonte: Gazeta do Povo

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Hacker é preso em flagrante acusado de estelionato em Londrina/PR

Ele trabalhava em uma empresa privada da área de informática e quebrou a segurança de um provedor para desviar dados bancários de milhares de pessoas

Um hacker de 27 anos foi preso em flagrante pela Polícia Federal (PF) de Londrina, na segunda-feira (31/10/2011), acusado de estelionato. O jovem trabalhava em uma empresa privada de informática e quebrou a segurança de um provedor de internet para desviar dados bancários de milhares de pessoas. Ele confessou o crime, pagou fiança e deixou a prisão nesta terça (1º/11/2011), mas ainda responderá pelo crime com um aumento de pena de um terço pelo fato de ter lesado uma instituição financeira pública federal.

Informações sigilosas, como login e senha, que ele conseguia iam para uma página clonada, cujo servidor está instalado no Nordeste do Brasil. O hacker que atuava nessa região usava os dados para fazer transferências entre contas de laranjas.

O chefe de operações da PF em Londrina, Elvis Secco, disse que esse esquema funcionava em Londrina há cerca de 10 meses. “Só o hacker daqui recebia mensalmente de R$ 8 mil a R$ 10 mil”, disse. Mas o pagamento não era feito em dinheiro. Secco explicou que ele tinha esse limite para gastar no cartão de crédito. Depois, passava o código de barras para o hacker do Nordeste, que debitava o pagamento da fatura em uma das contas que tiveram os dados desviados.

O hacker responsável pela página clonada no Nordeste oferecia um serviço por meio de salas de bate-papo, frequentadas apenas por hackers, para o pagamento de boletos bancários ou de faturas de cartões de crédito. “Os hackers lhe passavam suas contas a serem pagas e ele debitava o valor na conta de alguém desconhecido.” Do devedor, ele exigia 50% do valor do débito como pagamento. Esse hacker que atua no Nordeste ainda não foi identificado pela PF.

Fonte: Jornal de Londrina

Hacker é preso em flagrante em Londrina

Um hacker de 27 anos foi preso durante a manhã desta segunda-feira (31/10/2011) em Londrina/PR. O homem era funcionário de uma empresa de informática que presta serviços a um provedor de internet da cidade. De acordo com a Polícia Federal (PF), o hacker estaria atuando há pelo menos dez meses no município. O acusado participaria de esquema de clonagem de sites de bancos. O golpe prejudicou milhares de londrinenses, que tiveram suas senhas e dados bancários 'roubados'.

O jovem é formado em Administração de Sistemas de Informação. Ele trabalhava de forma conjunta com pelo menos outro hacker da região nordeste do país. Segundo a PF, o 'parceiro' do acusado fez a clonagem de sites de diversos bancos. Enquanto isso, o londrinense tinha o trabalho de invadir o provedor local e redirecionar os usuários para os endereços eletrônicos clonados. "Ele estava há dez meses atuando, de 2 a 3 horas por dia'', comentou o delegado da PF, Elvis Secco.

O esquema dava certo por que os usuários não percebiam que estavam em uma página clonada e logavam no site. Os hackers conseguiam, com isso, obter login e a senha dos clientes bancários. De acordo com a Polícia Federal, os acusados se utilizavam das informações para pagar boletos e fazer transferências pela internet. Eles ofereciam, por exemplo, pagamento de um boleto no valor de R$ 10 mil, para pessoas em salas de bate papo, e em troca recebiam 50% do valor.

A PF só chegou até o hacker depois que recebeu uma denúncia do proprietário da empresa onde o acusado trabalhava. O jovem, que seria de classe média alta, confessou o crime. Segundo a Polícia Federal, é possível que o hacker londrinense seja apenas uma peça de um grande esquema de roubo de dados bancários.

O crime cometido pelo hacker ainda não está previsto na legislação brasileira. Por isso, ele vai responder por estelionato, com agravante de lesar uma instituição financeira, cuja pena máxima é de 8 anos de prisão. (com informações do repórter Davi Baldussi, da Folha de Londrina)

Fonte: Bonde News

sábado, 5 de novembro de 2011

Prisão de traficantes | 160 Kg de cocaína | Polícia Federal | Maringá/PR


Em Paiçandu, casal é detido com 160 kg de crack em caminhão

Um casal foi detido, por volta das 22h desta sexta-feira (04/11/2011), transportando 160 quilos de cocaína. A droga foi encontrada dentro do tanque de combustível de um caminhão (com placas da cidade de Luís Eduardo Magalhães, Bahia), que estava estacionado em um posto de gasolina em Paiçandu (a 16 km de Maringá).

A Polícia Federal de Maringá/PR prendeu em flagrante o homem, de 47 anos, e a mulher, de 27. Eles estão presos na 9ª Subdivisão de Polícia Civil de Maringá e responderão a inquérito por tráfico de drogas.

Fonte: odiario.com

Caminhão transportava 160 quilos de crack
É uma das maiores apreensões da droga feitas no Paraná

A Polícia Federal em Maringá, Norte do Estado, fez nesta sexta (04/11/2011) uma das maiores apreensões de crack no Paraná. Foram encontrados, conforme a PF, 160 quilos da droga no tanque de combustível de um caminhão com placas da Bahia, que vinha do Mato Grosso do Sul.

A apreensão aconteceu quando policiais federais faziam investigação na região de Maringa. O motorista e uma mulher que o acompanhava foram detidos. Os dois seriam moradores de Cafezal, também no Paraná.

Segundo a PF, a suspeita é que a droga seria distribuida em Maringá e região. A quantidade de crack apreendido seria suficiente para fazer, no mínimo, 320 mil pedras de crack.

Fonte: Bem Paraná

Escute a notícia na rádio CBN. Clique aqui!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Prisão de Traficante de Ibiporã | Polícia Federal | Londrina/PR


Idoso é preso com crack e cocaína em praça de pedágio

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (27/10/2011) na praça de pedágio de Arapongas um homem de 60 anos, que estava retornando do Paraguai com um quilo de crack e um quilo de cocaína pura.

Jailson Alves da Silva estava viajando em um veículo Fiat Elba quando foi abordado em uma barreira policial. Como o veículo estava vazio, o que não é comum para quem está voltando do Paraguai, os policiais desconfiaram da situação.

De acordo com a polícia, durante a conversa com os policiais, Jailson ficou muito nervoso e acabou confessando que foi até o vizinho país buscar a droga, pois estava desempregado e precisando de dinheiro.

Ele ainda informou que pretendia distribuir a droga na região de Londrina e São Paulo. A droga e o veículo foram apreendidos e o acusado permanece detido.

Fonte: Bonde News

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Caminhão é apreendido com 130 quilos de cocaína na BR-369 | Polícia Federal | Londrina/PR

Caminhão é apreendido com 130 quilos de cocaína na BR-369

A apreensão ocorreu durante fiscalização da PRF próximo à praça de pedágio de Arapongas

Um caminhão, com placas do Paraguai, carregado com 130 quilos de pasta base de cocaína foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante fiscalização na tarde desta quarta-feira (26/10/2011), próximo à praça de pedágio de Arapongas, Norte do Paraná.

O motorista e a carga seriam encaminhados à sede da Polícia Federal em Londrina. Durante todo o dia, os policiais fizeram diversas apreensões de mercadorias irregulares.

Fonte: Jornal de Londrina

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Operação Mercúrio | Assaltantes Caixas Eletrônicos | Polícia Federal


PF prende 40 por roubos a caixas eletrônicos no PR, SC e RS (25/10/2011)

No Paraná, a operação foi deflagrada em Curitiba e Londrina, na região Norte do estado. Aproximadamente 300 policiais federais, militares e civis participam da ação

Subiu para 40 o número de presos por suspeita de participar de uma quadrilha que praticava roubos a caixas eletrônicos. Eles foram detidos em uma operação deflagrada pela Polícia Federal (PF) em conjunto com a Polícia Militar e com a Polícia Civil. As pessoas detidas também teriam participado de assaltos a ônibus de turismo, além de sequestros e homicídios.

Aproximadamente 300 policiais federais, militares e civis participam da ação.
A Operação Mercúrio ocorre no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. A assessoria de imprensa da PF não soube informar, por volta das 10h30, onde foram efetuadas as prisões. No Paraná, a operação foi deflagrada em Curitiba e Londrina, na região Norte do estado.

Segundo a PF, 39 mandados de prisão deveriam ser cumpridos, mas houve também prisões em flagrante. Outros 50 de busca e apreensão devem ser cumpridos. Os mandados foram expedidos da 1ª Vara Federal Criminal de Curitiba. As investigações tiveram início em dezembro de 2010.

A assessoria de imprensa da PF informou que algumas pessoas resistiram à prisão e houve confronto armado com os policiais.

Segundo a PF, o grupo é responsável por 15 roubos a caixas eletrônicos dos bancos Itaú, Caixa Econômica Federal, Santander e Sicredi no Paraná e em Santa Catarina. Em Curitiba, a maior parte dos equipamentos roubados localiza-se em terminais de ônibus. A estimativa da PF é de que o prejuízo causado somente à Caixa Econômica Federal seja de R$ 2 milhões.

Ações da quadrilha incluíam também roubos de veículos em Curitiba, região metropolitana e Joinville (SC). Os carros eram clonados e utilizados em assaltos a residências na capital paranaense.

Houve quatro confrontos entre policiais e a quadrilha no período das investigações. Um deles foi registrado no Paraguai, em junho. Dois suspeitos foram mortos e os demais fugiram para o Brasil. Armas e explosivos foram apreendidos naquela ação.

Os presos ficarão sob a custódia dos agentes da Penitenciária Federal de Catanduvas. Eles poderão ser levados para Catanduvas, no Oeste do Paraná, ou para as penitenciárias federais de Campo Grande (MS), Porto Velho (RO) ou Mossoró (RN).

Rio Grande do Sul

Duas prisões foram efetuadas no Rio Grande do Sul até as 10h30. Um dos mandados que deveria ser cumprido era contra um homem conhecido como “Carlos Gordo”. Segundo a PF, ele já estava preso e é considerado um dos bandidos mais perigosos do Rio Grande do Sul. Ele comandava organizações criminosas de dentro do Presídio de Charqueadas.

Fonte: Gazeta do Povo

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Estatização da Fundação Sarney | Vergonha Nacional | Maranhão/MA


Um dia depois de publicado, foi a voto na Assembléia Legislativa do Maranhão o projeto que estatiza a Fundação José Sarney.

Sob protestos da oposição, minoritária, os deputados estaduais que apoiam o governo Roseana Sarney (PMDB) aprovaram o modelo de tramitação da proposta.

Coube ao deputado Jota Pinto (PR), aliado da família Sarney, sugerir que a votação ocorra em “sessão extraordinária”, sob “regime de urgência”.

O regime de toque de caixa foi pedido por Roseana, filha do presidente do Senado e autora do projeto que estatiza a fundação do pai.

Aprovado o modelo, o projeto, cujo teor foi esmiuçado aqui, seguiu para a Comissão de Constituição e Justiça.

Ali, os governistas tramavam uma aprovação instantânea. A proposta seria devolvida ao plenário ainda nesta terça (18/10/2011).

Porém, o deputado Marcelo Tavares (PSB), líder do bloco de oposição, pediu vista do projeto. Com isso, a aprovação foi adiada para esta quarta (19/10/2011).

Rendida à maioria pró-Sarney, a oposição fez em plenário o que lhe resta: esperneou. Em discurso, líder Marcelo Tavares indagou:

“Será o povo do Maranhão que pagará todos os custos deste culto à personalidade de um cidadão maranhense que, se por um lado teve um enorme sucesso na sua vida, deixou o Estado do Maranhão como um dos piores Estados da Federação?”

O coro dos foi reforçado por Rubens Júnior (PCdoB), Bira do Pindaré (PT) e Neto Evangelista (PSDB).

A tróica realçou que Roseana propôs a estatização da fundação do pai sem ao menos informar quando a novidade vai custar aos cofres do Estado.

Os deputados não sabem nem mesmo quanto são os funcionários da fundação, que passarão a receber como servidores do governo.

A deputada Gardênia Castelo (PSDB), outra crítica da novidade, questionou a falta de prioridade embutida na urgência.

“Eu não compreendo como uma Casa do Povo pode tratar de forma tão diferente e com pesos tão desiguais uma questão como o piso salarial dos enfermeiros e a urgência na criação da Fundação, sendo o primeiro um projeto de interesse público e o segundo um projeto de interesse particular.”

No instante em que os deputados discusavam, as galerias da Assembléia estavam apinhadas de professores da rede pública de ensino do Maranhão.

A gestão Roseana discute a revisão do Estatuto do Magistério. Receando perder direitos, os professores pedem ao apoio dos deputados. E Gardênia:

“É lamentável que, no Maranhão, as prioridades sejam equivocadas, que o governo não tenha sensibilidade para ouvir e atender uma categoria tão importante, mas se disponha a aprovar em regime de urgência a fundação da Memória Republicana [nome da versão estatal da Fundação Sarney].”

Eterno defensor de Sarney na Assembléia, o deputado Magno Bacelar (PV) contestou os opositores. Disse que a Fundação Sarney precisa de amparo oficial.

Por que? É importante para a vida cultural do Maranhão. Na falta de melhor argumento, Bacelar recitou dado anotada em mensagem de Roseana à Assembléia:

“Mais de 135 mil pessoas já visitaram a Fundação José Sarney, que reúne um dos acervos mais importantes do Brasil.”

Fonte: Josias de Souza

Quem ainda lembra da OPERAÇÃO FAKTOR anteriormente denominada Operação Boi Barrica?

Foi uma operação da Polícia Federal Brasileira que investigou Fernando Sarney, suspeito de fazer caixa dois na campanha de Roseana Sarney na disputa pelo governo do Maranhão em 2006. Antes das eleições, ele teria sacado 2 milhões de reais em dinheiro vivo. O nome Boi Barrica refere-se a um grupo folclórico do Maranhão que tem como padrinhos a família Sarney. A operação teve que ser rebatizada devido a reclamações do grupo boi-bumbá Boizinho Barrica.

Fernando Sarney foi indiciado por formação de quadrilha, gestão de instituição financeira irregular, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Todavia, nega todas as acusações.

Em consequência desta operação a Polícia Federal gravou ligações que mostraram indícios de nepotismo praticados por Sarney onde interveio ao entregar um cargo ao namorado de sua neta, juntamente com Agaciel Maia.

Em 2011 o Superior Tribunal de Justiça (Ministros da 6ª Turma) anulou as provas que a Polícia Federal havia encontrado por tê-las considerado ilegais. As investigações, desta forma, retornam quase a seu ponto de início.

Fonte: Wikipedia

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Operação Roleta Russa | Polícia Federal | Curitiba/PR

PF faz operação de repressão ao jogo do bicho em Curitiba

Policiais cumprem 32 mandados de busca e apreensão em pontos de jogo de bicho da capital. Em um dos locais, considerado uma fortaleza, PF encontrou muito dinheiro e documentos de contabilidade do esquema

A Polícia Federal (PF) realizou, nesta terça-feira (11/10/2011), uma grande ação de repressão a jogos de azar em Curitiba. A Operação Roleta Russa foi deflagrada para cumprir 32 mandados de busca e apreensão, em 32 pontos de jogos ilegais da capital. Em um dos locais, considerado uma fortaleza, os policiais encontraram muitos documentos de contabilidade do esquema e dinheiro.

Cerca de 50 pessoas estavam no imóvel, que compreende uma casa e um galpão cercados por cercas elétricas, na Rua Doutor Reynaldo Machado, no bairro Prado Velho. Segundo o delegado Vagner Mesquita, o local funcionava como uma central do jogo do bicho, onde eram feitas a administração e a contabilidade do jogo ilegal.

No início da noite desta terça-feira, a PF informou que, devido à grande quantidade de material apreendido, um balanço final da operação será apresentado na quarta-feiar (12/10/2011). Os números parciais das ações apontavam a apreensão de 150 máquinas de caça-níqueis, três armas de fogo e um veículo. Duas pessoas foram presas em flagrante por porte ilegal de arma de fogo.

Cerca de 140 policiais de todo o estado vieram para capital participar da operação. A PF ainda contabiliza o montante de dinheiro apreendido na operação.


Outro caso

Em agosto, policiais da Polícia Civil e da Ronda Ostensiva de Natureza Especial (Rone), da Militar, estouraram uma "fortaleza" do jogo do bicho, no bairro Jardim Botânico. Quatro pessoas foram detidas na operação. A Policia Militar chegou ao local após uma denúncia de que havia máquinas de caça-níqueis.

Uma abordagem foi feita e os policiais descobriram que ali funcionava uma central do jogo do bicho, onde trabalhavam mais de 100 pessoas. O esquema envolvia pelo menos 50 motoboys, que eram responsáveis por recolher os jogos em bancas pela cidade e fazer o pagamento de apostas. Foi encontrado um cofre, com a quantia de R$ 100 mil, entre notas e moedas. Foram apreendidos 10 computadores, 20 sacos de lixo com cartelas de apostas.

Fonte: Gazeta do Povo

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Morte de Steve Jobs | Fundador da Apple


Morre Steve Jobs, fundador da Apple

Criador da Apple impôs visão de simplicidade no mercado da tecnologia.
Da experiência com drogas às brigas, conheça a trajetória do empresário.

Morreu nesta quarta-feira (5/10/2011) aos 56 anos o empresário Steven Paul Jobs, criador da Apple, maior empresa de capital aberto do mundo, do estúdio de animação Pixar e pai de produtos como o Macintosh, o iPod, o iPhone e o iPad.

Idolatrado pelos consumidores de seus produtos e por boa parte dos funcionários da empresa que fundou em uma garagem no Vale do Silício, na Califórnia, e ajudou a transformar na maior companhia de capital aberto do mundo em valor de mercado, Jobs foi um dos maiores defensores da popularização da tecnologia. Acreditava que computadores e gadgets deveriam ser fáceis o suficiente para ser operados por qualquer pessoa, como gostava de repetir em um de seus bordões prediletos, que era "simplesmente funciona" (em inglês, "it just works"). O impacto desta visão foi além de sua companhia e ajudou a puxar a evolução de produtos como o Windows, da Microsoft.

A luta de Jobs contra o câncer desde 2004 o deixou fisicamente debilitado nos anos de maior sucesso comercial da Apple, que escapou da falência no final da década de 90 para se transformar na maior empresa de tecnologia do planeta. Desde então, passou por um transplante de fígado e viu seu obituário publicado acidentalmente em veículos importantes como a Bloomberg. Há 42 dias, deixou o comando da empresa.

Foi obrigado a lidar com a morte, que temia, como a maioria dos americanos de sua geração, desde os dias de outubro de 1962 que marcaram o ápice da crise dos mísseis cubanos. "Fiquei sem dormir por três ou quatro noites porque temia que se eu fosse dormir não iria acordar", contou, em 1995, ao museu de história oral do Instituto Smithsonian.

"Ninguém quer morrer", disse, posteriormente, em discurso a formandos da universidade de Stanford em junho de 2005, um feito curioso para um homem que jamais obteve um diploma universitário. "Mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para chegar lá. E, por outro lado, a morte é um destino do qual todos nós compartilhamos. Ninguém escapa. É a forma como deve ser, porque a morte é provavelmente a melhor invenção da vida. É o agente da vida. Limpa o velho para dar espaço ao novo."

Homem-zeitgeist
A melhor invenção da vida, nas palavras do zen-budista Jobs, deixa a indústria da tecnologia órfã de seu "homem-zeitgeist", ou seja, o empresário que talvez melhor tenha capturado a essência de seu tempo. Jobs apostou na música digital armazenada em memória flash quando o mercado ainda debatia se não seria mais interessante proteger os CDs para fugir da pirataria.

Ele acreditou que era preciso gastar poder computacional para criar ambientes gráficos de fácil utilização enquanto as gigantes do setor ainda ensinavam usuários a editar o arquivo "AUTOEXEC.BAT" para configurar suas máquinas. Ele viu a oportunidade de criar smartphones para pessoas comuns ao mesmo tempo em que o foco das principais fabricantes era repetir o sucesso corporativo do BlackBerry.

Sob o comando de Jobs, a Apple dizia depender muito pouco de pesquisas de mercado. “Não dá para sair perguntando às pessoas qual é a próxima grande coisa que elas querem. Henry Ford disse que, se tivesse questionado seus clientes sobre o que queriam, a resposta seria um cavalo mais rápido", afirmou, em entrevista à revista "Fortune" em 2008. Em 2010, quando perguntado sobre quanto a Apple havia gasto com pesquisa com consumidores havia sido feito para a criação do iPad, Jobs respondeu que "não faz parte do trabalho do consumidor descobrir o que ele quer. Não gastamos um dólar com isso."

Nem sempre esta habilidade garantiu o sucesso da Apple, como na primeira versão da Apple TV, computador adaptado para trabalhar com central multimídia que não conseguiu um volume de vendas relevantes. Mas Jobs conseguia minimizar os fracassos: no caso da Apple TV, ele dizia que se tratava de um "hobby", um projeto pessoal que não fazia tanta diferença nos planos da empresa.

Perfeccionista e workaholic, Jobs gostava de controlar todos os pontos da produção da Apple, resistindo, inclusive, à decisão de terceirizar gradativamente a fabricação dos produtos da companhia para fabricantes chineses - plano proposto e executado pelo agora novo comandante da companhia, Tim Cook, e que se mostrou acertado.

Conhecido como um “microgerente”, nenhum produto da Apple chegava aos consumidores se não passasse pelo padrões Jobs de qualidade e de excentricidade. Isso incluía, segundo relatos, o número de parafusos existentes na parte inferior de um notebook e a curvatura das quinas de um monitor. No dia do anúncio de que Jobs estava deixando o comando da Apple, Vic Gundotra, criador do Google Plus, contou que recebeu uma ligação do presidente da Apple no domingo para pedir que fosse corrigida a cor de uma das letras do ícone do atalho do Google no iPhone.

Na busca por produtos que fossem de encontro com seu padrão de qualidade pessoal, Jobs era criticado em duas frentes. Concorrentes e boa parte dos consumidores que tentavam fugir da chamado "campo de distorção da realidade" criado pela Apple reclamavam das diversas decisões que faziam dos produtos da companhia um "jardim fechado", incompatíveis com o resto do mundo e restritos a normas que iam além de restrições tecnológicas. Tecnicamente sempre foi possível instalar qualquer programa no iPhone, mas a Apple exige que o consumidor só tenha acesso aos programas aprovados pela companhia.

Internamente, entre alguns de seus funcionários, deixou a imagem de "tirano". Alan Deutschman, autor do livro “The second coming of Steve Jobs", afirma que, ao lado do "Steve bom", o mago das apresentações tão aguardadas pelo didatismo e capacidade de aglutinar o interesse do consumidor, também existia o “Steve mau”, um sujeito que gostava de gritar, humilhar e diminuir qualquer pessoa que lhe causasse algum tipo de desprazer.

Ao jornal “The Guardian”, um ex-funcionário que trabalhou na Apple por 17 anos comparou a convivência com Steve com à sensação de estar constantemente na frente de um lança-chamas. À revista “Wired”, o engenheiro Edward Eigerman afirmou: “mais do que qualquer outro lugar onde já trabalhei, há uma grande preocupação sobre demissão entre os funcionários da Apple”. A mesma publicação contou que o diretor-executivo não via problemas em estacionar sua Mercedes na área da empresa reservada aos deficientes físicos -- às vezes, ele ocupava até dois desses espaços.

Jobs também sempre precisou de um "nêmesis", um inimigo que ele satanizava e ridicularizava em público como contraponto de suas ações na Apple. O primeiro alvo foi a IBM, com quem disputou o mercado de computadores pessoais principalmente no início dos anos 80. Depois, a Microsoft, criadora do MS-DOS e do Windows. Mais recentemente, Jobs vinha mirando o Google, gigante das buscas na internet cujo presidente chegou a fazer parte do conselho de administração da Apple, e que investiu no mercado de sistemas para smartphones com o Android. Jobs ordenou que a Apple lutasse, mesmo que judicialmente, contra o programa que ele considerava um plágio do iOS, coração do iPhone e do iPad.

Do LSD ao Mac
O sucesso empresarial de Jobs é ainda um dos principais resquícios da transformação da contracultura dos anos 60 e 70 em mainstream nas décadas seguintes. A companhia que hoje briga para ser a maior do mundo foi fundada após Jobs ir à Índia em 1973 em busca do guru Neem Karoli Baba. O Maharaji morreu antes da chegada de Jobs, mas o americano dizia que havia encontrado a iluminação no LSD.

"Minhas experiências com LSD foram uma das duas ou três coisas mais importantes que fiz em minha vida", disse, em entrevista ao "New York Times". Depois, afirmou que seu rival, Bill Gates, seria "uma pessoa (com visão) mais ampla se tomasse ácido uma vez". O LSD foi a mesma droga que fascinara o inventor do mouse e precursor do ambiente gráfico, Douglas Englebart, cerca de dez anos antes de Jobs.

Coincidentemente foram o mouse e o ambiente gráfico os inventos que chamaram a atenção de Jobs na fatídica visita ao laboratório da Xerox em Palo Alto, em 1979. É uma das histórias mais contadas e recontadas do Vale do Silício, e as versões variam entre acusações de espionagem industrial à simples troca pela Apple de patentes que a Xerox não teria interesse em desenvolver por ações da companhia, que abriria seu capital no ano seguinte.

Fato é que a equipe de Jobs voltou da visita encantada com a metáfora do "desktop" utilizada pelo Xerox Alto. A integração entre ícones representando cada uma das funções do computador, acessadas por meio de uma seta comandada por um mouse, foi a base do Apple Lisa e, posteriormente, do Macintosh.

Com o "Mac", enfim, Jobs conseguiu colocar em prática a visão de que havia desenvolvido em parceria com o amigo e sócio Steve Wozniak, responsável pela criação das soluções técnicas que fizeram dos primeiros computadores da Apple máquinas que mudaram o cenário da computação "de garagem" que vinha se desenvolvendo nos Estados Unidos nos anos 70. Agora, 8 anos após a fundação da empresa, Jobs e "Woz" apresentavam um computador que não era feito para "o restante de nós".

"Algumas pessoas acreditam que precisamos colocar um IBM PC sobre cada escrivaninha para melhorarmos a produtividade. Não vai funcionar. As palavras mágicas especiais que você precisa aprender são coisas como 'barra Q-Z'. O manual para o WordStar, processador de texto mais popular, tem 400 páginas. Para escrever um livro, você precisa ler um livro - e um que parece um mistério complexo para a maioria das pessoas", afirmou Jobs em entrevista publicada pela Playboy americana de fevereiro de 1985.

Na frase, Jobs demostra que queria enfrentar a IBM, gigante nascida no início do século e que, depois de dominar o mercado de servidores corporativos, queria tomar também o setor de computadores pessoais. Para ele, as máquinas da IBM eram feitas "por engenheiros e para engenheiros", e havia a necessidade de criar algo para o "restante", ou, como diria a famosa campanha "Pense diferente" da Apple de 1997, um computador para "os loucos, os desajustados, os rebeldes (..), as peças redondas encaixadas em buracos quadrados".

Saída da própria empresa
Mas o sucesso do Mac - que viria posteriormente a impulsionar a adoção de ambientes gráficos até mesmo entre os computadores da IBM (com o Windows, criado pela Microsoft) - não evitou que Jobs acabasse demitido de sua própria companhia. As disputas internas entre equipes que queriam investir no mercado corporativo e as que apostavam apenas no consumidor fizeram com que John Sculley, vindo da Pepsi à convite do próprio Jobs, convencesse o conselho de administração de que era hora da empresa se livrar de seu fundador.

Durante a década em que esteve fora, Jobs fez dois investimentos que acabaram, de maneiras diferentes, alavancando o mito em torno de seu "toque de midas". No primeiro, pagou US$ 10 milhões pela problemática divisão de computação gráfica da LucasFilm, empresa de George Lucas responsável por franquias do cinema como Star Wars e Indiana Jones. A nova empresa foi batizada de Pixar, e após emplacar sucessos como “Toy story”, “Vida de inseto”, “Monstros S.A.” e “Procurando Nemo”, acabou sendo adquirida pela Disney por US$ 7,4 bilhões em 2006. No processo, Jobs se transformou no maior acionista individual da companhia de Mickey Mouse.

O outro investimento foi a semente não apenas do retorno de Jobs à Apple, mas teve relação direta com o surgimento da World Wide Web, invenção que impulsionou o crescimento da internet no mundo. Com a NeXT, Jobs desenvolveu computadores poderosos indicados para o uso educacional e desenvolvimento de programas. Um terminal NeXT foi usado por Tim Berners-Lee como o primeiro servidor de web do mundo, em 1991. Em dezembro de 2006, a Apple adquiriu a NeXT, manobra que serviu para incorporar tecnologias ao grupo e trazer Jobs de volta para o comando da companhia.

O retorno de Jobs marca o início de uma era de crescimento para a Apple incomum na história do capitalismo americano. A sequência de sucessos - alguns atrelados a mudanças no paradigma de mercados importantes - inclui o MacBook, o tocador digital iPod, a loja virtual iTunes, o iPhone e o iPad. A maioria destes produtos veio de ideias impostas pelo próprio Jobs. À revista “Fortune”, em 2008, Jobs falou sobre sua tão aclamada criatividade - "sempre aliada ao trabalho duro", como ele mesmo enfatizou. "Não dá para sair perguntando às pessoas qual é a próxima grande coisa que elas querem. Henry Ford disse que, se tivesse questionado seus clientes sobre o que queriam, a resposta seria um cavalo mais rápido."

Nesta segunda passagem, Jobs reforçou ainda o legado de um empresário ímpar, que impunha uma visão holística na criação, desenvolvimento e venda de seus produtos, Do primeiro parafuso ao plástico que embalaria a caixa de cada aparelho, passando por custo, publicidade, estratégia de vendas.

Sigilo na vida pessoal
A mesma discrição que Jobs impunha na vida profissional - os lançamentos da Apple sempre foram tratados como segredo, aumentando a gerar um movimento de especulação que acabava servindo como publicidade gratuita - foi adotada em sua vida pessoal. Por isso, a luta do executivo contra o câncer no pâncreas foi tratada com muito sigilo, dando margem a uma infinidade de boatos.

Em 2004, Jobs fez tratamento após descobrir um tipo raro da doença. Durante o ano de 2008, Jobs foi aparecendo cada vez mais magro e os boatos aumentaram, até que ele anunciou em janeiro de 2009 seu afastamento da diretoria da empresa para cuidar da saúde. No início de 2011, novo afastamento, até que, em agosto, Jobs deixou de vez o comando da Apple. "Eu sempre afirmei que se chegasse o dia em que eu não fosse mais capaz de cumprir minhas obrigações e expectativas como CEO da Apple, eu seria o primeiro a informá-los disso. Infelizmente, este dia chegou", afirmou, em comunicado.

A vida reservada fez, por exemplo, que Jobs não tivesse contato direto com sua família biológica. Nascido em 24 de fevereiro de 1955 em San Francisco, filho dos então estudantes universitários Abdulfattah John Jandali, imigrante sírio e seguidor do islamismo, e Joanne Simpson, foi entregue à adoção quando sua mãe viajou de Wisconsin até a Califórnia para dar à luz.

Segundo o pai biológico, os sogros não aprovavam que sua filha se casasse com um imigrante muçulmano. Lá, ele foi adotado por Justin e Clara Jobs, que moravam em Mountain View. Seus pais biológicos depois se casaram e tiveram uma filha, a escritora Mona Simpson, que só descobriu a existência do irmão depois de adulta.

Do pai adotivo, herdou a paixão de montar e desmontar objetos. Assim como Paul, Steve não chegou a ser um especialista em eletrônicos, mas ao aprender os conceitos básicos conseguiu se aproximar das pessoas certas no lugar certo. Vivendo no Vale do Silício, conheceu Steve Wozniak, gênio criador do primeiro computador da Apple. Trabalhou na Atari até decidir criar, com Woz, sua própria empresa.

Em mais uma conexão com a contracultura, Jobs teria tido um relacionamento de curta duração com a cantora folk Joan Baez, ex-namorada do ícone da música Bob Dylan, talvez o maior ídolo do empresário.

Casado com Laurene Powell desde 1991, Jobs deixa quatro filhos: Reed Paul, Erin Sienna, e Eve, nascidos de seu relacionamento com Laurene, e Lisa Brennan-Jobs, de um relacionamento anterior com a pintora Chrisann Brennan.

Fonte: G1

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Operação Noturnos | Polícia Federal | Mato Grosso/MT

Uma operação de combate ao tráfico de drogas da Polícia Federal realizada nesta sexta-feira (30/09/2011) cumpre 41 mandados de prisão e 38 de busca e apreensão em cinco Estados. Ao todo, segundo a PF, já foram cumpridos 20 mandados de prisão nas cidades de Cuiabá, Campo Novo dos Parecis, Cáceres (MT), Pinheiros (MA) e Viana (ES).

Cerca de 160 homens estão atuando na “Operação Noturnos”, que tem o objetivo desarticular uma organização criminosa voltada ao tráfico internacional de cocaína. As ações ocorrem nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Espírito Santo e Maranhão.

Em Mato Grosso, serão cumpridos mandados de prisão em Cáceres, Pontes e Lacerda, Campo Novo dos Parecis e Cuiabá. Em Mato Grosso do Sul, as prisões serão cumpridas em Campo Grande. No Espírito Santo, na cidade de Viana. Já no Maranhão, em Pinheiro e Viana. Em São Paulo, a ação é realizada em Ribeirão Preto.

A investigação, realizada pela PF em Cáceres (MT), durou cerca de um ano. Segundo a PF, o núcleo do grupo criminoso, embora residente no município, também atuava no tráfico em outras cidades de Mato Grosso e em outros Estados, relacionando-se e prestando apoio a outros grupos criminosos.

No decorrer da investigação, seis pessoas foram presas em flagrante e 390 kg de cocaína foram apreendidos, além de material destinado à produção, preparação e transformação de drogas.

Os investigados responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico.

Depois de interrogados, os presos serão levados à cadeia pública de Cáceres. A “Operação Noturnos” recebeu esse nome porque os suspeitos entravam com a droga no Brasil através de caminhada noturna e também a enviavam para outros Estados através de “mulas” que viajam somente à noite.

Fonte: UOL Notícias

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Desvio de medicamentos | Polícia Federal | Bandeirantes/PR | Pratiprazol

Polícia Federal apreendeu na manhã desta terça-feira (27/09/2011) na cidade de Bandeirantes uma grande quantidade de Pratiprazol. O medicamento, comprado para ser distribuído gratuitamente pela rede pública do Paraná, estava sendo vendido por R$ 13,99 a cartela em uma farmácia do município.

Segundo a PF, o medicamento foi adquirido pelo Consórcio Paraná Saúde para ser distribuído as regionais de saúde que teriam que fazer a distribuição para os municípios e estes à população em geral, de forma gratuita.

Uma pessoa que comprou esta cartela em Bandeirantes fez a denúncia à Polícia Federal. Segundo investigação da PF o início do esquema foi descoberto hoje mas há fortes indicíos de um grande esquema de corrupção. De acordo com a PF, falta ainda identificar o servidor público envolvido no esquema de desvio de medicamentos. Ainda não se sabe se o envolvido trabalha na regional de saúde ou na Prefeitura de Bandeirantes.

Fonte: Bonde News

sábado, 24 de setembro de 2011

Discurso do Deputado Federal Jair Bolsonaro sobre a Comissão da Verdade


Video do Youtube com o discurso do Deputado Federal Jair Bolsonaro sobre a Comissão da Verdade!

Fonte: Regime Militar 64 - Canal Youtube

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Polícia Federal em Londrina/PR apreende 6,3 milhões de cigarros em Rolândia

Policiais federais de Londrina apreenderam caminhão carregado com contrabando na BR-369, em Rolândia, durante a manhã desta terça-feira (13/09/2011). O veículo transportava 630 caixas de cigarros contrabandeados de Guaíra para São Paulo.

A viatura policial suspeitou do motorista depois que ele tentou usar uma rota alternativa. O condutor foi preso em flagrante. Ele, que tem 40 anos, é reincidente e foi indiciado por contrabando e descaminho. Se condenado por pegar até quatro anos de prisão.

O condutor é mantido na carceragem da Polícia Federal de Londrina. O caminhão carregado de cigarros foi encaminhado à Receita Federal de Londrina. O veículo transportava 6,3 milhões de cigarros. A carga é avaliada em R$ 472 mil.

Fonte: Bonde

PF apreende caminhão na BR-369 com mais de 600 caixas de cigarros do Paraguai

A Polícia Federal (PF) em Londrina apreendeu na manhã desta terça-feira (13/09/2011) um caminhão lotado de cigarros contrabandeados na BR-369, entre os municípios de Cambé (16 km de Londrina) e Rolândia (27 km). A carroceiria do caminhão estava com cerca de 630 caixas do material do Paraguai.

Segundo o delegado da PF em Londrina, Cleo Matusiak Mazzotti, o veículo foi abordado por volta das 11 h durante uma operação de rotina. O motorista - que não teve o nome divulgado – confirmou que estava com a carga de origem estrangeira e foi detido. Ele ficará a disposição da Justiça Federal.

"O motorista já tem outros antecedentes pelo crime por descaminho. Fica claro que fazia isso como um modo de vida", declarou. O condutor do caminhão, segundo o delegado, teria sido contratado em Guaíra para levar a carga até São Paulo.

Mazzotti contou que ação durou pouco menos que uma hora. O caminhão foi encaminhado para a delegacia da PF e seguirá, por volta das 15h, para o pátio da Receita Federal.

Fonte: O Diario

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Operação Voo Livre | Polícia Federal | Rio de Janeiro/RJ

A Superintendência da Polícia Federal deflagrou, no fim da manhã desta quinta-feira (01/09/2011) no Rio de Janeiro, uma operação para combater um esquema de fraude à Receita que vinha ocorrendo, pelo menos, desde 2009 e que desviava cerca de R$ 150 milhões em tributos não recolhidos por ano.

Segundo a PF, que investigou o caso junto com a Receita, produtos eletrônicos entravam no Brasil por meio do aeroporto internacional Tom Jobim sem serem tributados. O volume das mercadorias, que vinham principalmente dos EUA, alcançava um valor médio de R$ 20 milhões por mês e representava quase R$ 12 milhões em impostos não pagos.

Empresários e pessoas físicas compravam produtos no exterior e enviavam, pelo correio, para o Brasil. Por meio de declarações falsas de conteúdo, era possível evitar o pagamento dos impostos. A fiscalização não era feita pelos servidores da Receita.

Outra forma de sonegar impostos era enviar produtos por meio de passageiros, chamados de “astronautas”. O dono das mercadorias ligava para os fiscais da Receita e avisava quem era o “astronauta” que chegaria ao aeroporto. Os agentes, então, deixavam de fiscalizar as mercadorias. Já os policiais federais faziam o chamado “atendimento VIP”, em que escoltavam o passageiro para agilizar os processos de imigração e de aduana.

Em outro esquema, servidores públicos e empregados de empresas prestadoras de serviço no aeroporto desviavam mercadorias em benefício próprio ou de conhecidos. “Eram esquemas diferentes, mas a investigação conseguiu identificar uma organização criminosa, que, de maneira estruturada, atuava no Aeroporto Tom Jobim, justamente com esse propósito, de trazer ao Brasil mercadorias dos Estados Unidos, em especial de Miami”, disse o delegado.

O delegado da PF e coordenador da operação, batizada de Voo Livre, Macelo Freitas, disse que hoje foram indiciados 12 servidores da Receita, três policiais federais e sete prestadores de serviços. Há mais cem pessoas envolvidas que devem ser ouvidas e podem também ser indiciadas.

Todos os funcionários indiciados já estavam afastados de suas funções, mas tiveram prisão preventiva negada pela Justiça. Eles também respondem a processos administrativos em seus locais de trabalho e podem ser expulsos. O delegado informou ainda que dois passageiros presos em flagrante, em março deste ano, com R$ 1 milhão em mercadorias, respondem em liberdade.

As autoridades americanas contribuíram com a operação fornecendo declarações de passageiros que chegavam no país com mais de R$ 10 mil. Com o cruzamento de dados, a PF pôde avaliar quem levava dinheiro e voltava com mercadorias.

Os integrantes do esquema devem responder pelos crimes de descaminho (entrada de produtos legais sem recolhimento de impostos), formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Fonte: UOL Noticias

sábado, 20 de agosto de 2011

Pai e filho são presos tentando transportar 25,3 kg de crack para Natal/RN

PF prende dupla transportando drogas no tanque de combustível para o RN

Dois paraenses foram presos nesta sexta-feira (19/08/2011), na cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Os dois homens, que são pai e filho, foram identificados pela Polícia Federal como sendo um comerciante de 42 anos e um agropecuarista de 67 anos. Os nomes dos acusados não foram divulgados.

A dupla viajava em um veículo Honda City, e no tanque de combustível do carro estavam escondidos 25,3 kg de crack. Os paranaenses foram presos durante uma fiscalização em veículos que transitavam pela BR 101.

A polícia desconfiou que poderia haver um irregularidade porque os dois suspeitos se mostraram nervosos durante a abordagem, apesar dos documentos do carro estarem legais. Quando perguntados porque estavam no Rio Grande do Norte pai e filho alegaram serem turistas. A polícia consultado os antecedentes criminais da dupla e constataram duas passagens por tráfico de drogas na ficha do comerciante.

Por causa da desconfiança dos agentes, o veículo passou por uma rigorosa inspeção e apresentou vestígios de que alguns componentes haviam sido desmontados recentemente. Um deles era o tanque de combustível, que ao ser aberto continha 23 tabletes de crack envoltos em bexigas coloridas.

Os acusados foram presos e informaram que o veículo com as drogasseria deixado no estacionamento do aeroporto internacional Augusto Severo, em Parnamirim. Os suspeitos foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória de Pirangi onde permanecerão à disposição da Justiça. Esta foi a 5ª apreensão de crack feita pela Polícia Federal este ano no Rio Grande do Norte.

Fonte: NE 10

Pai e filho são presos tentando transportar 25,3 kg de crack para Natal

A Polícia Federal prendeu no final da manhã desta sexta-feira,19 de agosto de 2011, em Natal, um comerciante e um agropecuarista, ambos paranaenses, de 42 e 67 anos, respectivamente, que viajavam em um Honda City. Com eles foram encontrados 25,3 kg de crack que estavam escondidos no interior do tanque de combustível.

Uma equipe da PF, desde as primeiras horas da manhã, realizava uma fiscalização em veículos que transitavam pela BR 101, quando, na altura de São José de Mipibu, contando com o apoio de Policiais Rodoviários Federais, foi dada ordem de parada a um veículo com placa de Londrina/PR que conduzia dois homens, os quais após identificados constatou-se serem pai e filho.

Durante a abordagem, mesmo com os documentos sem nenhuma irregularidade, os suspeitos se mostravam bastante nervosos. Indagados sobre a razão da presença em território potiguar, alegaram ser turistas, porém ao ser consultado seus antecedentes criminais constava contra o comerciante duas passagens por tráfico de drogas.

Desconfiados, os policiais resolveram conduzi-los até a Superintendência da PF onde o veículo passou por uma rigorosa inspeção e apresentou vestígios de que alguns componentes haviam sido desmontados recentemente. Um deles era o tanque de combustível que ao ser aberto continha 23 tabletes de crack envoltos em bexigas coloridas.

Os acusados então receberam voz de prisão e ao serem autuados declararam que o carro havia sido entregue já "pronto" em Londrina e que tinham a intenção de deixá-lo no estacionamento do aeroporto internacional Augusto Severo, em Parnamirim, com as chaves sobre um dos pneus à espera do destinatário da droga, a quem taxativamente alegaram desconhecer. Indagados sobre outros detalhes, pai e filho optaram por ficar em silêncio.

Após serem submetidos a exame de corpo de delito no ITEP, os suspeitos foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória de Pirangi onde permanecerão à disposição da Justiça.

Esta foi a 5ª apreensão de crack feita pela Polícia Federal este ano no RN. O total da droga apreendido já ultrapassa os 223 kg.

Fonte: Tribuna do Norte

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

João Victor e Kauê - Me Enlouquece | Sertanejo Universitário 2011





Fonte: João Victor e Kauê

CARTA AO SENHOR JOBIM | General-de-Exército Luiz Gonzaga Schroeder Lessa

CARTA AO SENHOR JOBIM
Luiz Gonzaga Schroeder Lessa
12 de agosto de 2011

Como era natural, o senhor se foi, sem traumas, sem solavancos, subs-tituído quase que por telefone, não durando mais do que cinco minutos o seu despacho de despedida com a presidente, que, de forma providencial, já tinha até o seu substituto definido. Surpreso? Nem tanto.
Substituição aceita com a maior naturalidade, pois ela é parte da rotina militar.
O senhor talvez esperasse adesões e simpatias que não ocorreram, pri-meiro, pela disciplina castrense e, depois, pelo desgaste acumulado ao longo dos seus trágicos 4 anos de investidura no cargo de ministro da defesa. E como um dia é da caça e outro do caçador, o senhor foi expelido do cargo de forma vergonhosa, ácida, quase sem consideração a sua pessoa, repetindo os atos que tantas vezes praticou com exemplares militares que tiveram, por dever de ofí-cio, a desventura de servir no seu ministério (veja que omiti a palavra comando, porque o senhor nunca os comandou).
O desabafo à revista Piauí, gota d’água para a sua saída, retrata com fidelidade e até mesmo estupefação o seu ego avassalador, que julgava estar acima de tudo e de todos, a prepotência, a arrogância e a afetada intimidade com os seus colaboradores no trato dos assuntos funcionais, o desconhecimento dos preceitos da ética e do comportamento militar, a psicótica necessidade de se fantasiar de militar, envergando uniformes que não lhe cabiam não apenas por seu tamanho desproporcional, mas, também, pela carência de virtudes básicas, como se um oficial-general se fizesse unicamente pelos uniformes, galões e insígnias que usa, esquecendo que a sua verdadeira autoridade emana dos longos anos de serviços prestados à Nação e da consideração e do respeito que nutre pelos seus camaradas. O senhor, de fato, nunca a entendeu e nunca foi compreendido e aceito pela tropa, por faltar-lhe um agregador essencial – a alma de Soldado.
Sua trajetória no Ministério da Defesa foi a mais retumbante desmisti-ficação daquilo que prometeu realizar.
2
Infelizmente, as Forças Armadas ficaram piores, ainda mais enfraque-cidas. Suas promessas de reaparelhamento e modernização não se realizaram. Continuam despreparadas para cumprir as suas missões e, na realidade, são forças desarmadas, só empregadas no cumprimento de missões policiais, muito aquém das suas responsabilidades constitucionais.
A Marinha poderá até apresentar um saldo positivo no seu programa de submarinos, mas a força de superfície está acabada, necessitando de urgente renovação, que não veio. A Aeronáutica prossegue sonhando com os moder-nos caças com que lhe acenaram, programa que desafia a paciência e aguarda por mais de 10 anos. O Exército parece ser o que se encontra em pior situação no tocante ao seu equipamento e armamento, na quase totalidade com mais de 50 anos de uso. Nem mesmo o seu armamento básico, o fuzil, teve substituto à altura. Evolução tecnológica, praticamente, nenhuma. O crônico problema sala-rial que, por anos, atormenta e inferioriza os militares que são tratados quase como párias, não teve uma programação que pretendesse amenizá-lo. A Comis-são da Verdade, em face da sua dúbia atitude, é obra inconclusa, que tende a se agravar como perigoso fator desagregador da unidade nacional
O que fez o senhor ao longo desses quatro últimos anos para reverter essa situação, Sr Jobim. Nada! Só palavrório, discursos vazios, promessas que não se cumpriram, enganações e mais enganações. Mas sempre teve a paciên-cia, a lealdade e a fidelidade dos Comandantes de Força.
A Estratégia Nacional de Defesa é o maior embuste que tenta vender. Megalômana, sem prazos e recursos financeiros delimitados por específicos programas governamentais, é um documento político para ser usado ou des-cartado ao sabor das circunstâncias, como atualmente ocorre, quando é vítima dos severos cortes orçamentários impostos às Forças Armadas, que inviabili-zam os seus sonhos de modernização. Mal sobram recursos necessários para a sua vida vegetativa.
O caos aéreo que prometeu reverter com a modernização da infraestru-tura aeroportuária só fez crescer e ameaça ficar fora de controle.
Você (como gosta de chamar os seus oficiais-generais) foi um embuste, Jobim.
Por tudo de mal que fez à Nação, enganando-a sobre o real estado das Forças Armadas, já vai tarde. Vamos ficar livres das suas baboseiras, das suas palavras ao vento, das suas falácias, das suas pretensões de efetivamente
3
comandar as Forças Armadas, mesmo que para isso tivesse que usurpar os limites constitucionais.
Você parte amargando a compreensão de que nada mais foi do que um funcionário ad nutum, como todos os demais, demitido por extrapolar os limi-tes das suas atribuições. A contragosto, é forçado a admitir que o verdadeiro comandante das Forças Armadas é a Presidente Dilma que, sem cerimônia, não tem delegado essa honrosa missão exercendo-a, por direito e de fato, na plenitude da sua competência.
Você acusou o golpe. Não teve, nem sequer, a disposição de transmitir o cargo que exerceu. Faceta da sua personalidade que a história saberá julgar.
Como no Brasil tudo o que está ruim pode ficar ainda pior, vamos ter que aturar o embaixador Amorim, que por longos 8 anos deslustrou o Itama-raty e comprometeu a nossa tradicional e competente diplomacia. Sem afini-dade com as Forças, alheio aos seus problemas e necessidades mais premen-tes, com notória orientação esquerdista, só o tempo dirá se a sua indicação valeu a pena.
No fundo, creio mesmo que só ao Senhor dos Exércitos caberá cuidar das nossas Forças Armadas.

1) O autor é General-de-Exército, Ex-Presidente do Clube Militar e Membro Fun-dador da Academia Brasileira de Defesa.
2) As matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não represen-tam, necessariamente, o pensamento da ABD

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Operação Arapongas | Polícia Federal | Londrina/PR

Casal que vendia animais silvestres é preso em Arapongas

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (10/08/2011), em Arapongas/PR, um casal suspeito de comandar uma quadrilha que vendia animais silvestres sem autorização pela internet. De acordo com reportagem do G1 PR, a operação batizada como "Operação Arapongas" contou com o apoio do Ibama e cumpriu mandados de prisão e busca e apreensão no Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Ceará e Paraíba. Ao todo, seis pessoas foram presas.

Segundo a Polícia Federal, o casal que foi preso é suspeito de comandar a pelo menos três anos, um site que comercializava animais silvestres ilegalmente. Alguns dos bichos estão, inclusive, em extinção. Nenhum deles possuía registro no Ibama.

Mais de trinta animais foram encontrados e apreendidos durante a operação. Os presos devem responder por falsidade ideológica, formação de quadrilha, crime contra a fauna, estelionato e sonegação de impostos.

Fonte: BondeNews


PF prende chefes de quadrilha que vendia animais pela internet
Casal comandava venda de animais por um site na internet.
Mandados foram cumpridos na manhã desta quarta (10/08/2011) em sete estados

Um casal suspeito de comandar uma quadrilha que vendia animais silvestres sem autorização pela internet foi preso nesta quarta-feira (10/08/2011) em operação comandada pela Polícia Federal (PF) e pelo Ibama. Batizada de Operação Arapongas, a ação cumpriu seis mandados de prisão e vinte e cinco de busca e apreensão no Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Ceará e Paraíba.

O casal foi preso em Arapongas, Norte do Paraná. Até por volta das 10h, ainda não havia informação sobre o cumprimento dos outros mandados de prisão. O delegado Elvis Secco, da PF do Paraná, explicou que o casal é suspeito de comandar, durante ao menos três anos, um site onde os animais eram comercializados.

Na primeira versão desta reportagem, o G1 informou, com base nas declarações do delegado de Polícia Federal Elvis Secco, que 30 pessoas tinham sido detidas. A informação foi corrigida às 9h40.


Compras com parcelamento
Segundo a investigação, os animais vendidos ilegalmente eram, na maioria, silvestres, alguns em extinção, e nenhum deles possuía registro no Ibama, ao contrário do que informava o site.

"O parcelamento era oferecido em até 18 vezes. O casal de jovens preso no Paraná comandava todo o esquema. Eles chefiavam todas as entregas aqui e os outros envolvidos nos outros lugares eram os fornecedores, que davam conta de enviar os animais, que eram retirados da natureza", contou.

Secco disse ainda que a maioria dos fornecedores tinham alguma ligação com clínicas e entidades protetoras de animais.

Os presos vão responder por falsidade ideológica, formação de quadrilha, crime contra a fauna, estelionato e sonegação de impostos. A investigação durou um ano, segundo a Polícia Federal.

Fonte: G1

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Acidente envolvendo militares da ESFCEX | Itamaraju/BA | Exército Brasileiro

Itamaraju: Um acidente fatal envolvendo um ônibus da Escola de Formação Complementar do Exército (ESFCEX) de Salvador, resultou pelo menos na morte de dois tenentes, um aluno, três pessoas em estado grave e várias pessoas mutiladas: o acidente aconteceu por volta das 04h00min da manhã desta terça-feira dia (09/08/2011) no KM 833 da BR 101, nas proximidades da Fazenda Café Norte Agrícola, município de Itamaraju/BA.

As vítimas fatais são os tenentes: Ivanildo Torres Lima Júnior, natural de Juazeiro, 28 anos, Marcelo Adelino da Silva, 28 anos e Alexandre Magno de Andrade Santiago, 28 anos, e eram naturais do Rio de Janeiro.

De acordo com as informações, o ônibus placa JSV - 7978 (Salvador), pertencente a empresa FORT CAR que fazia o transporte dos alunos e oficiais com sentido Salvador/Rio de Janeiro com 44 ocupantes era conduzido pelo motorista Flávio Santana Bastos, que teve escoriações pelo corpo, quando perdeu o controle da direção em uma curva e acabou capotando. Várias vítimas foram transferidas em estado grave para o hospital municipal de Teixeira de Freitas.

Participaram do resgate, três equipes do Serviço Móvel de Urgência (SAMU), sendo duas de Itamaraju, uma de Teixeira de Freitas e uma equipe de integrantes do Corpo de Bombeiros também de Teixeira de Freitas. A Polícia Rodoviária Federal permanece no local aguardando o resgate das vítimas e orientando o tráfego.

Os corpos foram removidos para o IML de Itamaraju, onde passarão por exames de necropsia e posteriormente serão liberados aos familiares para velório e sepulto.

Fonte: Liberdade News

ACIDENTE ENVOLVENDO MILITARES – Nº 01

O Comando da Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx) informa a ocorrência de um acidente rodoviário por volta das 4 horas da madrugada de 9 de agosto (terça-feira) próximo a cidade de Teixeira de Freitas, no sul da Bahia envolvendo ônibus no qual viajavam oficiais e alunos do Curso de Formação de Oficiais da Escola de Formação Complementar do Exército que se deslocavam para o Rio de Janeiro a fim de atender viagem de instrução. Os feridos foram levados para o Hospital Municipal de Teixeira de Freitas. As causas do acidente estão sendo apuradas.

O Comando da EsFCEx, profundamente consternado e imbuído do mais alto sentimento de solidariedade, está empenhado em prestar todo o apoio necessário aos envolvidos e às famílias dos militares vitimados pelo acidente.

ACIDENTE ENVOLVENDO MILITARES – Nº 02

Em complemento a Nota à Imprensa Nº 01 que se relaciona ao acidente ocorrido na madrugada de 9 de agosto (terça-feira), próximo a cidade de Teixeira de Freitas, no sul da Bahia envolvendo um ônibus no qual viajavam oficiais e alunos do Curso de Formação de Oficiais da Escola de Formação Complementar do Exército que se deslocavam para o Rio de Janeiro a fim de atender a uma viagem de instrução, informamos o que se segue:.

- Faleceram no acidente os seguinte militares: 1º Ten Eng MARCELO ADELINO da Silva, 1º Ten Inf Ivanildo TORRES LIMA Júnior e o Ten Al Alexandre Magno de Andrade SANTIAGO. Informamos ainda que 3 (três) militares encontram-se em processo cirúrgico.

- Uma equipe composta de 4 (quatro) médicos e profissionais do Exército foi deslocada para o local a fim de apoiar os profissionais do Hospital Municipal de Teixeira de Freitas, no atendimento dos feridos.

O Comando da EsFCEx imbuído de solidariedade e sensibilizado com as perdas, está empenhado em prestar todo o apoio necessário aos envolvidos e às famílias dos militares vitimados pelo acidente.

ACIDENTE ENVOLVENDO MILITARES – Nº 03

Em complemento as Notas à Imprensa anteriores relacionadas ao acidente ocorrido na madrugada de 9 de agosto (terça-feira), próximo a cidade de Teixeira de Freitas, envolvendo oficiais e alunos do Curso de Formação de Oficiais da Escola de Formação Complementar do Exército que se deslocavam para o Rio de Janeiro a fim de atender a uma viagem de instrução, informamos o que se segue:

- Os corpos dos militares falecidos (1º Tenente de Engenharia MARCELO ADELINO da Silva e 1º Tenente de Infantaria Ivanildo TORRES LIMA Júnior e o Tenente Aluno Alexandre Magno de Andrade SANTIAGO) serão transladados de avião da Força Aérea Brasileira para Salvador após a liberação do Instituto Médico Legal de Itamaraju.

- Os demais militares retornarão para Salvador.

O Comando da EsFCEx imbuído de solidariedade e sensibilizado com as perdas, está empenhado em prestar todo o apoio necessário aos envolvidos e às famílias dos militares vitimados pelo trágico acidente.

Fonte: ESFCEX

Operação Voucher | Polícia Federal | Amapá/AP

Número dois do Ministério do Turismo e outros 37 são presos em operação da PF

A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira (9/08/2011) 38 pessoas ligadas direta ou indiretamente ao Ministério do Turismo. Entre os detidos estão o secretário-executivo e número dois na hierarquia da pasta, Frederico Silva da Costa, além do ex-presidente da Embratur, Mário Moisés. Entre os presos está também o secretário nacional de Desenvolvimento de Programas de Turismo, Colbert Martins da Silva Filho, diretores e funcionários do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi) e empresários.

Conforme a Polícia Federal, a operação, batizada de "Voucher”, teve só no Distrito Federal o cumprimento de dois mandados de busca e apreensão, dez de prisão preventiva e cinco mandados de prisão temporária. Houve prisões também nos Estados do Amapá e de São Paulo, onde a operação também é realizada. Os presos em SP e DF serão encaminhados a Macapá (AP).

O objetivo da ação, que teve início às 5h, é prender pessoas ligadas ao Ministério suspeitas de desviar recursos públicos por meio de emendas parlamentares. Preliminarmente, a PF informou terem sido detectados indícios de desvio de dinheiro público em um convênio pela qualificação de profissionais de turismo no Amapá, firmado em 2009 entre o ministério e o Ibrasi --sem chamamento público --no valor de R$ 4,4 milhões. O Ibrasi é uma organização sem fins lucrativos.

A operação foi executada em conjunto com o TCU (Tribunal de Contas da União) e com o apoio do MPF (Ministério Público Federal). Segundo a PF, os envolvidos no esquema poderão ser indiciados pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e fraudes em licitação, cujas penas podem chegar a 12 anos de prisão.

A assessoria do Ministério do Turismo disse não ter conhecimento sobre os motivos que levaram à operação nem informações de quem são os servidores. Por outro lado, a PF admitiu que alguns dos presos podem ser liberados ainda hoje. O Palácio do Planalto também ainda não se pronunciou sobre o caso.

Investigação

A investigação teve início na Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários do Amapá. A operação é coordenada pela Superintendência da PF amapaense. Ao todo, 200 policiais participam da operação.

Em nota, a PF informou que foram detectados indícios de desvio de dinheiro público no convênio com o Ibrasi. Entre as irregularidades apontadas, estão a celebração de convênio com entidade sem fins lucrativos e sem condições técnico-operacionais para a execução do objeto; a não realização de cotações prévias de preços de mercado por intermédio do Siconv (o portal de convênios do governo federal) e o direcionamento das contratações às empresas pertencentes ao suposto esquema de corrupção.

Foram detectados ainda pela PF a “ausência de preços de referência e de critérios de aceitabilidade de preços”, a “inexecução ou execução parcial do objeto pactuado no convênio”, o pagamento antecipado de serviços, “fraude em documentos comprobatórios de despesas, contrapartida não executada ou executada irregularmente pelo Ibrasi” e, por parte do ministério, “inexistência ou fiscalização insatisfatória do convênio”.

Passo a passo da crise

Desde o começo de junho, quando começaram a surgir as primeiras denúncias no Ministério dos Transportes, outras cinco pastas foram relacionadas a supostos casos de corrupção: Minas e Energia, Desenvolvimento Agrário, Cidades, Agricultura e Turismo.

Fonte: UOL Notícias

domingo, 31 de julho de 2011

Fraudes nos Batalhões de Engenharia do Exército | DNIT


O comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, e sete generais são investigados pela Procuradoria-Geral de Justiça Militar sob suspeita de participar de fraudes em obras do Exército.

Os oficiais comandaram o DEC (Departamento de Engenharia e Construção) e o IME (Instituto Militar de Engenharia) entre 2004 e 2009, período em que o Exército fez convênios com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) para obras em rodovias.

O general Enzo chefiou o DEC entre 2003 e 2007. Ele deixou o cargo para assumir o comando do Exército no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e foi mantido no posto pela presidente Dilma Rousseff.

O grupo investigado inclui cinco generais que comandaram o IME e dois que chefiaram o DEC depois do general Enzo: os generais Marius Teixeira Neto, na reserva desde março, e Ítalo Fortes Avena, hoje consultor militar da missão do Brasil na ONU.
A investigação foi aberta em maio pela procuradora Geral de Justiça Militar, Cláudia Luz, para apurar se o general Enzo e os outros que comandavam áreas envolvidas sabiam das irregularidades.

A apuração foi um desdobramento de inquérito anterior que identificou indícios de fraude em 88 licitações do Exército para fazer obras do Ministério dos Transportes e apontou desvios de recursos públicos de R$ 11 milhões.
À Folha, o Centro de Comunicação do Exército diz que não tem conhecimento da investigação e que "não cabe à Força e nem aos militares citados emitir qualquer tipo de posicionamento".

Criados para atender necessidades de militares, os Batalhões de Engenharia do Exército (BEC) são convocados com frequência para acelerar obras. Somente do Dnit, que nas últimas semanas teve quase toda a diretoria afastada por ordem de Dilma, o Exército recebeu R$ 104 milhões nos últimos cinco anos.

As investigações mostram que um grupo liderado por dois oficiais que coordenavam os convênios no IME, o coronel Paulo Roberto Dias Morales e o major Washington Luiz de Paula, criou seis empresas para entrar em concorrências do IME com dinheiro do Dnit.
O major Paula teria movimentado mais R$ 1 milhão em sua conta em um ano e feito 14 viagens aos EUA no período em que trabalhou com o Dnit.

Seis militares estão sendo processados na Justiça Militar. Se condenados, poderão ser presos e expulsos da corporação. Peças do processo foram encaminhadas à Justiça Federal para que eles sejam processados ali também.

Fonte: Folha.com

sábado, 23 de julho de 2011

Morte da cantora Amy Winehouse aos 27 anos

A cantora Amy Winehouse morreu na tarde deste sábado (23/07/2011), por volta das 16h do horário local (13h de Brasília), aos 27 anos. Segundo informações dos jornais "The Guardian", "Daily Mirror", The Sun" e "Sky News", a cantora foi encontrada morta em sua casa em Camden, na Inglaterra. Há suspeitas de que ela tenha sofrido overdose de drogas.

A notícia ainda não foi confirmada pelos assessores de Winehouse, mas, de acordo com a agência de notícias Reuters, a polícia informou que "o corpo de um a mulher de cerca de 27 anos" foi encontrado no mesmo local descrito como o flat onde morava e que o caso está sendo tratado com uma morte "inexplicada".

O site de notícias TMZ publicou um comunicado que teria sido divulgado pela polícia metropolitana londrina. "A polícia foi chamada pelo Serviço Londrino de Ambulância em um endereço na Candem Square NW1 pouco antes das 16h05 (horário de Londres) do sábado, 23 de julho, com depoimento de uma mulher encontrada morta. Ao chegar, oficiais encontraram o corpo de uma mulher de 27 anos que foi declarada morta na cena. Investigações continuam a respeito das circunstâncias da morte. Até o seguinte momento, não há explicação".

Sua última aparição foi na noite de quarta-feira, quando se apresentou ao lado da cantora de soul Dionne Bromfield, na The Roundhouse, uma casa de shows em Camden. Ela havia saído havia pouco tempo de um programa de reabilitação e estava sob regras severas para não beber.


Amy Winehouse --que teve seu auge em 2008, quando ganhou cinco dos seis prêmios Grammy a que disputava-- lançou dois discos: "Frank" (2003) e "Back To Black" (2006), que trouxe hits como "Rehab", "You Know I'm No Good" e "Tears Dry On Their Own". Em janeiro deste ano, a cantora inglesa desembarcou pela primeira vez no Brasil para cinco shows, após dois anos longe dos palcos. No mês passado, a cantora cancelou sua turnê europeia após ser vaiada em Belgrado.

Fonte: UOL Entretenimento

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Operação Todos Por Um | Polícia Federal | Londrina/PR

Cinco são presos em operação 'Todos por um' da Polícia Federal no PR
Prisões foram feitas entre a noite de quarta (29/06/2011) e a manhã desta quinta (30/06/2011).
Em uma das abordagens foram apreendidos R$ 400 mil em contrabando.

Cinco homens foram presos durante a operação 'Todos por um' da Polícia Federal (PF) em conjunto com a Polícia Civil, Rodoviária Federal, Guarda Municipal e Receita Federal entre a noite de quarta-feira (29) e a manhã desta quinta (30) na região Norte do Paraná. A primeira abordagem foi em Ribeirão do Pinhal, quando os policiais apreenderam cerca de R$ 400 mil em produtos contrabandeados dentro de um ônibus. O veículo seguia de Foz do Iguaçu, no Oeste, para São Paulo. Três homens foram presos.

A segunda operação foi realizada em Faxinal. Os policiais apreenderam 36 caixas de cigarros contrabandeados escondidos em uma residência. Dois homens foram presos.

Outros mandados de prisão devem ser cumpridos até o final da operação.

Fonte: G1

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Operação Catimbó | Polícia Federal | Tráfico Internacional de Drogas

Operação Catimbó, da PF, prende 11 por tráfico internacional de drogas
Prisões foram feitas pela Polícia Federal durante o fim de semana.
Droga vinha da Bolívia e era redistribuída para o PR e outros sete estados.

A Polícia Federal (PF) prendeu 11 pessoas na Operação Catimbó, de um total de 13 mandados expedidos. Duas prisões foram em Curitiba e foram as únicas no Paraná. Todas são suspeitas de trazer cocaína da Bolívia para oito estados brasileiros, incluindo o Paraná.

As prisões foram feitas no último fim de semana, quando foram apreendidos 160 kg de cocaína em uma fazenda no Mato Grosso, mas o total de drogas apreendidas passa de uma tonelada.

Segundo o Delegado da Polícia Federal Wagner Mesquita ainda existe a possibilidade de apreender mais drogas dentro das fazendas utilizadas, pois os entorpecentes ficavam enterrados. Ele afirmou que após a perícia contábil, o interrogatório dos presos e a coleta de evidências, outras prisões e investigações podem ocorrer.

Além da droga, foram apreendidos 30 veículos e dezenas de imóveis, que, segundo Mesquita, equivalem a um patrimônio de “alguns milhões”.

Esquema

As investigações da Operação Catimbó começaram há mais de um ano, e tiveram origem em um cartão de visitas encontrado durante a Operação Ressaca, também da PF.

A droga vinha da Bolívia através de aviões que pousavam em pistas clandestinas em fazendas do estado do Mato Grosso, era oculta em fundos falsos de caminhões e redistribuída para vários estados brasileiros. Os proprietários dos caminhões serão indiciados pela construção do fundo falso, mas ainda não é possível afirmar se eles tinham conhecimento do esquema, de acordo com o delegado Mesquita.

Fonte: G1


A Polícia Federal (PF) em Curitiba divulgou nesta terça-feira (28/06/2011) um balanço da Operação Catimbó, para a repressão do crime de tráfico de drogas.

As investigações tiveram início há cerca de um ano, quando foi descoberta uma quadrilha especializada no tráfico internacional de cocaína da Bolívia para Curitiba e outros destinos no Brasil.

Durante toda a operação, que terminou no final de semana, os policiais prenderam 11 pessoas e apreenderam cerca de uma tonelada de drogas.

De acordo com informações da Polícia Federal, a quadrilha agia a pelo menos cinco anos.

O delegado regional de Combate ao Crime Organizado da PF, Wagner Mesquita, conta como era o esquema dos traficantes para a distribuição das drogas.

Segundo o delegado, quatro presos estão em Curitiba e os outros também serão trazidos para a capital.

O delegado comenta ainda que as investigações continuam e outras pessoas da quadrilha podem ser presas.

Fonte: CGN

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Prisão de traficantes Ibiporã | Operação DENARC | Londrina/PR

Policiais do Departamento Estadual de Narcóticos (Denarc), núcleo de Londrina, prenderam, nesta quarta-feira (08/06/2011), Diego Bettette, 23 anos, Rogério Mendes de Oliveira, 27, e Esdras Silveira Griselin, 21, suspeitos de tráfico de drogas em Ibiporã, Região Metropolitana de Londrina/PR. Com eles foram apreendidos meio quilo de cocaína, 100 gramas de crack e três balanças de precisão.

De acordo com a polícia, as investigações começaram após uma denúncia anônima de que Diego entregaria drogas para Rogério e Esdras, na região do Jardim Brasília, em Ibiporã. Os policiais ficaram de campana no local e, por volta das 11h, perceberam comunicação entre dois veículos. Após algum tempo, foi entregue uma sacola plástica de um carro a outro.

A polícia cercou os automóveis e prendeu Diego, que estava no Palio placa AMR-2805, de Ibiporã. Os ocupantes do outro veículo, o Celta, EDW-3650, da mesma cidade, conseguiram fugir e jogaram a droga para fora do carro. A polícia os perseguiu e prendeu Rogério e Esdras, na avenida dos Estudantes, cerca de 1,5 quilômetro adiante.

No pacote atirado para fora do veículo tinham 350 gramas de cocaína. Após a prisão, a polícia apreendeu na residência de Diego mais 150 gramas de cocaína, 100 gramas de crack e três balanças de precisão, usadas na pesagem da droga. Os três foram presos em flagrante e autuados por tráfico de drogas. Eles foram encaminhados à delegacia de Ibiporã, onde aguardam decisão da Justiça.

Fonte: BONDENEWS

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Alder Oliveira de Lima | Morte Policial Federal | Guaíra/PR

O policial federal Alder Oliveira de Lima, 43, morreu neste domingo (05/06/2011) próximo ao trevo de acesso a Guaíra, no Oeste do estado do Paraná, após um acidente na BR-272, quando acompanhava a escolta de dois caminhões apreendidos em Assis Chateaubriand. Os motoristas dos veículos que faziam o transporte de carne suína para um frigorífico, em Medianeira, também no Oeste, foram flagrados com produtos contrabandeados do Paraguai em meio ao carregamento.

De acordo com os policiais, Lima estava no caminhão baú de placas AOD 8999 dirigido por Olmir Francisco Schossller quando o motorista, tentando escapar do comboio, saiu da pista e bateu contra um barranco às margens da rodovia. Já na delegacia, o motorista que prestava serviços de transporte à cooperativa de alimentos disse que o acidente aconteceu porque passou mal e perdeu o controle do veículo que vinha sendo seguido por uma viatura da Polícia Federal.

O corpo do policial lotado em Guaíra desde outubro foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Toledo onde passou por exames e liberado. O agente que tinha familiares em São Paulo será sepultado hoje na capital paulista. Lima era casado e pai de duas filhas.

Um inquérito vai apurar as causas do acidente, de que forma as mercadorias trazidas do Paraguai foram colocadas junto à carga de carne e se há outros envolvidos. Preso em flagrante, Schossller deve responder pelos crimes de homicídio e de contrabando.

Fonte: Gazeta de Maringá

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Operação Compatível | Falsificação Toner | Polícia Federal | Londrina/PR

A Operação Compatível da Polícia Federal de Londrina (PF) descobriu ontem, 12 de maio de 2011, um avançado laboratório de falsificação de cartuchos e toners de impressora em Londrina, localizado em uma mansão na Rua das Açucenas, no Jardim Colina Verde (Zona Oeste da cidade). De acordo com o delegado-operacional da PF, Elvis Secco, mais de 10 mil itens, entre matéria-prima e produtos prontos, foram encontrados.

''Peritos avaliam inicialmente que a mercadoria vale mais de R$ 1 milhão'', afirmou. Até a tarde de ontem, apenas um homem de 40 anos havia sido preso, mas a PF continuava realizando buscas em Londrina. Segundo Secco, a quadrilha seria formada por cerca de dez pessoas.

''Eles forneciam cartuchos e toners para pelo menos quatro empresas que participavam de licitações no Paraná e em outros Estados a fim de fornecer os equipamentos de impressoras a órgãos públicos'', explicou o delegado.

Como o produto era falsificado, essas empresas venciam as licitações propondo preços menores. Segundo o delegado, além do Paraná, órgãos federais do Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo recebiam produtos da quadrilha. ''A qualidade é impressionante. Eles usavam cartuchos usados, recolocavam tinta e embalavam como se fossem novos'', explicou.

A quadrilha falsificava cartuchos e toners de diversas marcas. Segundo o delegado, o laboratório estaria funcionando há mais de um ano em Londrina. ''A investigação começou a partir dos resultados de algumas licitações. Foi percebido que algumas empresas ofereciam preços menores e em seguida descobrimos que os cartuchos estavam vindo de Londrina.'' A ação de ontem aconteceu após um mês de investigações.

No início de março a Polícia Civil realizou uma operação semelhante em uma residência na Vila Nova, na Área Central de Londrina. Três pessoas foram presas no episódio. De acordo com Secco, é possível que haja relação entre os dois casos. ''É provável que aquela residência fosse uma espécie de depósito da quadrilha'', afirmou.

Em agosto do ano passado o Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce) também havia cumprido mandados de busca e apreensão em empresas de recarga de cartuchos de impressão em residências da cidade. Parte do material falsificado foi recolhido.

Fonte: Folha de Londrina
video